IHERING GUEDES ALCOFORADO

A relação do cinema com a poesia é possível de ser estabelecida em múltiplos planos e lugares. Jean Cocteau com seu Orfée (1950) revisita a lenda grega e seu mundo eterno para explorar suas possibilidades em latência, tendo como cenário o universo articulado que converge no Café des Poèts em Paris: uma ´cova dos leões’.

Inicialmente, mostra as possibilidades do cinema no registro, não só do mundo da poesia, num dos seus habitat, o Café des Poéts, regido por duas regras: i) o respeito ao silêncio dos que não tem nada de novo a dizer, já aos vinte anos, e, ii) o estabelecimento que um poeta não pode ser famoso; mas também dos mecanismos da criação poética, cujo maior obstáculo é o estabelecimento de um limite, não atravessar o espelho, a partir do qual se vai longe demais. …


IHERING GUEDES ALCOFORADO

O Filme La Sangre y la Lluvia (2010) de Jorge Navas proporciona um encontro com o vazio contemporâneo sintetizado numa noite de (des)encontros de Angela (Glória Montoya) e Jorge (Quique Mendoza). Aquele vazio recorrente nos filmes de Wim Wenders preenchido por droga e violência.

O filme evidencia duas epidemias que, magnificadas pelo vazio e a consequente ausência de sentido do existir, assolam o tempo presente. Uma epidemia é de natureza existencial e manifesta a nível do sujeito por meio da solidão e, e que tem no personagem de Ângela uma expressão simbólica emblemática.. …


IHERING GUEDES ALCOFORADO

Image for post
Image for post

O filme de Wim Wenders Alice in den Städen (1974) traz o embrião de Paris Texas, mas vai além.

O embrião de Paris Texas está presente na monotonia das paisagens americanas, nos planos, na crise existencial que engolfa a criatividade dos personagem que não sabem viver a vida.

O além do Paris Texas se revela na segunda parte, no road movie protagonizado por Philip ´Phil´ Winter (Rüdiger Vogler) e Alice (Yella Rottländer) que, tendo como pano de fundo a Holanda evidencia como a evolução da relação dos dois personagem avança na direção da superação da crises existencial e de criatividade.


IHERING GUEDES ALCOFORADO

Image for post
Image for post

No mergulho que Wim Wenders faz no universo de um dos seus mestre, Yasugiro Ozu depara-se não só com dois dos seus colaboradores icônicos: o ator Chishu Ryu e o seu ex-assistente e diretor de fotografia, Yuharu Atsta, mas também com dois outros mestres do cinema contemporâneo: Herzog e Cris Marker o resultado não poderia deixar de ser uma reflexão sobre o cinema, tendo como pano de fundo dois mundo: o de Ozu e seus colaboradores e o de Wim Wenders e dos seus contemporâneos.

A trama tem como pano de fundo o mundo de Ozu, tanto o substantivo que tomou como objeto da sua arte, fincado não a família e na comunidade tradicional japonês; como o simbolizado por meio da sua cinematografia; e, como foco uma reflexão sobre o cinema.Estes dois planos do mundo de Ozu funcionam como ponto de partida para dois questionamentos correlacionados que se expressam por meio de duas reflexões que se complementam. …


IHERING GUEDES ALCOFORADO

Image for post
Image for post

No cinema, algumas vezes o excesso de talento gera carência de dramaturgia. É o caso Era Uma Vez na América (Once Upon a time in America,1984) que na ânsia de explorar os recursos de dois virtuosos: Al Pacino envolvido numa trilha sonora de Ennio Morricone, descuidou do foco e não consegui explorar a trama e evidenciar a relação tensa entre as três estrategias alternativas de concretizar a ambição, representada por três personagens emblemática: Noddis, Deborah e Secretáio Bailey, as quais configuram a problemática que atravessa todo o filme.

A trajetória de Noddis , o personagem de Al Pacino, é estabelecida sem mediação, por meio do jogo bruto, e, mesmo tendo interagindo com o crime institucionalizado, não revela interesse em se integra. Diferente da estratégia do Secretário Secretário Bayle, cuja trajetória no crime é configurada dentro das instituições, e não devidamente explorada no filme. E, a terceira é representado por Deborah, o personagem de Elizabeth McGovern que busca chegar ao topo por meio da arte e, não por acaso objeto de paixão dos dois outros personagens. …


IHERING GUEDES ALCOFORADO

Image for post
Image for post

Énorme (2019)da Diretora Sophie Letourneur e protagonizado por Marina Föis Jonathan Cohen, para deleite do expectador, entrega o que não promete. A promessa é uma comédia, mas o que entrega é um estimulo a reflexão sobre a tensão entre a maternidade e a paternidade.

A lição é que o instinto da reprodução é igualmente distribuído entre a maternidade e a paternidade, indo ao encontro ao senso comum que tende associar o instinto da reprodução a maternidade.

A inversão é explorado pela diretora como um cenário para a comédia, mas o que se constata é a falta talento para tanto, enquanto sobra sensibilidade para a escolha de problemática importante e relevante. …


IHERING GUEDES ALCOFORADO

Image for post
Image for post

Um panorama da Comédia Humana, mas diferente da de Balzac, essa se esparram ao longo dos século, trazendo a tona a convivência permanente entre a barbárie e o sublime, ora distribuída entre os protagonistas, ora contida num único, quando não uma promovendo a outra. Inserido na onda cinematográfica que explora as mazelas da sociedade francesa, mas sem maniqueísmo e presentismo. Um olhar que funde o presente, o passado e o futuro. avivando a memória dos seus males.

O resultado é a evidenciação que não temos nada novo, a tensão entre a barbárie e o sublime, humana demasiada humana, carregamos dentro de nós, em nossos genes, expresso no nosso cotidiano. Nós somos o resultado, e o futuro dessa tensão: ora sórdido, ora sublime, quando não os dois simultâneo. O resultado também é a convicção que, diferentemente, de Tostoi, a beleza não salvará o mundo, pois se assim fosse o mundo já estaria salvo há muito tempo. …


IHERING GUEDES ALCOFORADOs

Image for post
Image for post

Nos Bastidores da Fama, a regra (quase) tudo nos primeiros planos é seguido á risca, ficando o “quase” por conta dos clichês que ancora a narrativa e as tramas paralelas mal resolvida. O que não impede de entregar um olhar crítico do processo de construção de uma “diva” pop.

A partir de um singelo concurso musical infantil a tensão que atravessa todo o filme é posto: de um lado a problemática implícito na canção Blackbird eternizado na interpretação de Nina Simone serve como que um roteiro implícito do drama desenvolvido ao longo de todo o filme. Do outro, a materialização e agravamento da referida tensão é expresso ao longo do processo de construção de uma pop star a negação da identidade realista de Noni (Gugu Mbatha-Raw numa interpretação ontológica) e a construção da personagem fantasiosa necessária ao show business. O engenho da diretora se revela quando resolve a tensão posta por uma música, a versão original interpretada por Nina Simone por meio de uma recriação de Blackbird, o meio pelo qual Noni resgata sua identidade sacrificada no altar do show business. Os clichês e as tramas que tentam contextualizar o drama expresso na música não compromete. …


GEORGE STEINER (The Order Of Thing The New York Time, 27/02/1971 -Section BR, Page 8)

Image for post
Image for post

French intellectual life is a sce nario. It has its stars and histrionic polemics, its claque and fiascos. It is susceptible, to a degree remark able in a society so obviously literate and ironic, to sudden gusts of lunatic fashion. A Sartre dominates, to be followed by Levi‐Strauss; the new master is soon fusilladed by self‐pro claimed “Maoist‐structuralists.” The almost impenetrable soliloquies on semantics and psychoanalysis of Ja ques Lacan pack their full houses. Now the mandarin of the hour is Michel Foucault. …


IHERING GUEDES ALCOFORADO

Image for post
Image for post

O ano de 2020 foi de grandes perdas, entre as quais destaco a de George Steiner, um dos mais influentes crítico do século XX e, que se nos deixou em em 03 de fevereiro de 2020.

George Steiner foi um grande mestre, e como tal, o tempo funciona como fermento no seu legado, evidenciando sua perenidade, a qual é registrada não só nos seus livros, mas principalmente nos artigos. Os livros são produzidos sob restrições distintas dos artigos. Naqueles a influência dos editores e dos leitores condicionam a formatação e edição do texto, o que funciona como mediação entre o leitor e o autor na sua impressão primal. …

About

Ihering Guedes Alcoforado

Professor do Departamento de Economia da Universidade Federal da Bahia.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store